quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Greve geral dos concurseiros!

Em Minas, mais de 100 dias de greve dos professores estaduais. Pelo Brasil, greve dos Correios e, agora, dos bancários. Mas nenhum movimento será capaz de abalar tantas estruturas quanto a GREVE DOS CONCURSEIROS.


Nossa categoria, há muito prejudicada pelos crescentes aumentos dos cortes e o achatamento de nossas notas, está agora amplamente mobilizada e disposta a levar o motim às últimas consequências, negando-se, até mesmo, ser aprovada nas mais diversas provas. E já temos números expressivos de adesão. Por exemplo, no concurso da magistratura do TJDFT, cerca de 95% dos concurseiros se negaram ser aprovados nas provas objetivas, em apoio ao nosso movimento de greve. E o número de participantes só tende aumentar ao longo das próximas etapas deste concurso. Houve ampla adesão, também, no concurso da magistratura do TJPR.

Nossa pauta de reivindicações:

  1. Cronograma não é adereço de edital. Desejamos o estrito cumprimento dos cronogramas dos concursos, conforme Resolução 75 do CNJ;
  2. Melhor elaboração das provas, o que inclui a não repetição de questões já aplicadas em outros concursos, bem como a elaboração de outras de modo a não ensejar a anulação daquelas de respostas dúbias, controversas e/ou capciosas;
  3. Parcimônia na elaboração de questões utilizando informativos, principalmente os do STF;
  4. Fim do uso de questões de "rodapé de código" (aqueles artigos que TODAS as pessoas consultam, sendo incabível sua memorização);
  5. Previsão, no edital, de hipótese de reaplicação da prova objetiva quando o número de questões anuladas ultrapassar um parâmetro prefixado (10%, 15%, 20% do total da prova), evitando que o certame se transforme em loteria; 
  6. Fixação, no edital, de prazo máximo para análise dos recursos contra as questões;
  7. Celular não é estrume. Não aceitaremos mais enterrar nossos celulares nos jardins do campus, em virtude de termos sido proibidos de portar os aparelhos (ou guardá-los embaixo das carteiras e/ou em saquinhos), ainda que sem bateria, como ocorrido na prova do MPPB;
  8. Fim do "jogo de empurra" entre organizadora e Administração Pública, notadamente quando o assunto é o prazo para a divulgação dos resultados, recursos e afins;
  9. Liberação definitiva do uso do relógio analógico em provas. Em todas provas a informação acerca de seu uso é objeto de hesitação dos aplicadores, mesmo quando o edital nada diz a respeito;
  10. Maiores cuidados no transporte das provas já resolvidas, a fim de evitar o extravio das mesmas, como já acontecido na DPE-MG e Magistratura do TJPE;
  11. Realização das provas em campi que possuam o "mínimo existencial" do concurseiro: cadeira condigna, ventilação adequada e banheiro COM papel higiênico;
  12. Subvenção estatal para medicamentos de uso contínuo para o estômago do concurseiro, em especial os de final "ol": omeprazol, lanzoprazol e pantoprazol. 

9 comentários:

  1. Cara, muito boas as reivindicações.
    "Mínimo existencial" é demais....hahahahah, curti mesmo.
    Essa do telefone enterrado no jardim é sério?! Parece que é piada pronta do nosso Brasilzão!!!
    Aquele abraço.
    RAMODAN

    ResponderExcluir
  2. @RAMODAN

    Obrigado por aderir ao movimento! rs

    Essa do telefone enterrado no jardim é super sério. Todo castigo pra concurseiro é pouco...

    E sobre o "mínimo existencial", o que mais me preocupa é a ausência do papel higiênico. Quem nunca teve dor de barriga antes de uma prova que atire a primeira pedra! rs

    Forte abraço!

    MOCAM

    ResponderExcluir
  3. Boa, kkk! Acrescento às reinvindicações:

    -prova discursiva é para ser corrigida fundamentadamente. Não basta dizer que não passou, tem de explicar porque não passou. Princípio do contraditório não é um enfeite da CF. O candidato não pode elaborar um recurso se ele não sabe o que errou ou desagradou, ele não tem bola de cristal!!!

    ResponderExcluir
  4. Fui obrigado a comentar novamente...
    A tal inexistência de papel higiênico me deixa sempre muito preocupado e, pelo visto, tu sabes exatamente o porquê disso!!! :D
    O que que custa por o bendito do papel no lugar dele? Já passei por cada apuro que só Deus sabe...hehehehhe
    Aquele abraço.
    RAMODAN

    ResponderExcluir
  5. @ROMODAN

    kkkkk...

    Sabe qual é o mais triste disso tudo? É que é tudo verdade.

    Eu já fiz, salvo engano, por duas vezes, prova em dia de Cruzeiro e Atlético, bem na UFMG, que fica AO LADO do Mineirão. Pô, até meu filho sabe que o calendário do futebol sai no início do ano! Custa antecipar ou adiar um fds? Mas não. Pra completar o toque de genialidade, marcaram a prova para o período da tarde. Um caos.

    Mas "nóis inverga mas num quebra"!

    Abs!

    MOCAM

    ResponderExcluir
  6. Velho do céu!

    Começo a desconfiar que o desenho "fantástico mundo de Bob" deve ter sido inspirado em você quando infante...

    Vai ter criatividade assim lá longe!!! rs

    PARABÉNS pelo texto... muito bom mesmo!!!

    Abração!!!

    PS: "tamo junto" no movimento grevista, companheiro!!! hahaha

    ResponderExcluir
  7. mto bom Mocam!!!!

    concordo com as reivindicações!!!!

    e detalhe: de fato, gastos com pantoprazol deveriam ser ressarcidos!!!

    ResponderExcluir
  8. Mto bom! Depois de um exaustivo dia de estudo, véspera de concurso, ler isso é quase que tomar um olcadil. E haja pantoprazol!!!! hahahaha

    Já aderi à greve!!!!

    Flávia

    ResponderExcluir
  9. Aderindo ao movimento \o/

    Parabéns pelo excelente texto!
    Muito justas as reivindicações. :-)

    Ps.: o lance do celular é vero. Eu estava lá!

    Lika...

    ResponderExcluir

• Vídeos, dicas de estudo, materiais gratuitos e muito mais. Grupos de estudo e muita informação sobre concursos das carreiras jurídicas. Acesse o Blog do MOCAM e cadastre-se no Fórum do MOCAM.

• Discordar é saudável. Mas comentários ofensivos não serão publicados.

• Publicidade não será permitida.

• Não serão publicados comentários contendo emails, números de telefones, endereços ou outros dados pessoais.

Veja Também no Blog do MOCAM