sábado, 2 de outubro de 2010

O limbo em que vivo

Deixa eu sair um pouco do tema deste blog? Obrigado. 1:20h da manhã de sábado e a minha cabeça, girando feito um liquidificador, briga com meus olhos, pesados de tanto sono.

Hoje escrevo aqui do interior de Minas. Por conta de um pé-de-vento daqueles que só Deus manda na vida da gente, tive que sair daqui, rumo a Belo Horizonte. Retorno aqui sempre, ora para trazer meu filho, ora para cuidar de alguns processos que ainda caminham nesta pequena comarca. O que me traz aqui nesta oportunidade é o segundo motivo.

Estou em Belo Horizonte não por escolha, mas por necessidade. Meu presente está na capital, meu passado no interior. Não estou a cuspir no prato que como, mas é que quando se tem família e, principalmente, um filho, tudo toma outra conotação. E o desejo do meu filho é estar perto de sua "família extensa" (para citar uma expressão cunhada pelo ECA). Se este desejo é dele, é meu também.
 
Mas, estranhamente, já não me senti vivendo aqui. Não sou parte mais deste lugar, infelizmente. Vejo pela primeira vez que as coisas andaram sem a minha presença. Mas também não me sinto completo lá, na capital. Já me acostumei com as buzinas, com as sirenes, com as ladeiras, com os motoristas destemperados. Mas acostumar é diferente de gostar.
 
E por estar num lugar que não desejei, num momento de quase clausura, já que minha preparação para magistratura é feita num cômodo de um apartamento, onde uma janela é a do quarto e a outra a do "windows", parece que vivo numa espécie de limbo pessoal e jurídico. As amizades carnais já se afastam, ao passo que as virtuais se fortificam. Não me sinto advogado, como antes me sentia. Tampouco vislumbro o fim dessa jornada, aprovado num cargo que espelhe o tamanho do esforço pessoal que faço atualmente. Não digo isso em tom de reclamação, mas de constatação. Não estou a flertar com o desânimo, que fique bem claro isso. 

Desculpe o "momento divã" deste blog. É culpa do "inferno astral", que já se faz presente nesse pouco menos de um mês que antecede meu trigésimo aniversário. Culpa do "Crime e Castigo"  de Dostoievski, que por inexplicável razão embalei em sua leitura, coisa que há muito tentava e não conseguia. Acho que de algum modo, fui tomado por esse clima de imperfeição  (e desconstrução) humana que ronda os personagens do livro. Culpa da única constante que se faz presente na vida de todos nós: a mudança. 

Mas não é depressão. É reflexão. Retornarei com uma postagem mais amena, prometo.

Um grande abraço, 

MOCAM

25 comentários:

  1. Amigão, seu blog está show de bola. Por coincidência do destino estou nessa mesma reflexão quase que em "real time" com sua. Acho que sou um dos primeiros a ler esse "post". O que posso falar pra vc é que não desistas nunca. Todos nós passamos por esse inferno astral, faz parte da nossa caminhada. Tente não esmorecer. Como uma ajuda, vou te mandar um link que já coloquei no CW, não sei se teves a oportunidade de ver, me ajuda muito quando estou nesse momento baixo astral. Fique a vontade caso desejes colocar no seu blog. Pode confiar que não é vírus.

    "http://www.youtube.com/watch?v=lj_0_0By538"

    Felicidades Mocam.

    Jakobs I

    ResponderExcluir
  2. Mocam,

    Estou tendo a mesma sensação e me afastando de algumas coisas, é complicado mas faz parte do nosso foco, não há como escapar.

    Você através das palavras mostra o reflexo de tudo que estamos passando.


    Um grande abraço,
    Fê M*

    ResponderExcluir
  3. MOCAM,
    As sensações de cansaço, perda e de impotência são características dos vencedores quando estão próximos da vitória! Coragem, porque este seu ciclo está próximo de se concluir. Chore, brigue, vá ao fundo do poço, se a vida assim o levar. Mas, não permaneça lá... Olhe pro alto, perceba o quanto já conquistou, pois é aí que está a fonte inesgotável e misteriosa do viver contra toda adversidade. Respire fundo e esteja certo: há um tempo para cada coisa. E por experiência própria posso lhe afirmar faz uma grande diferença quando vivemos na certeza de que nada é prá sempre, tudo, tudo passa.
    Paz e Bem!
    Ikki

    ResponderExcluir
  4. MOCAM,
    Mto boa a sua reflexão, como sempre.
    Mas não fique assim. Quisera eu voltar aos meus 30 anos.
    Estou com 34 e meio (11 anos de formado) e, a cada dia que passa, vou me achando cada vez mais e mais velho (ainda hei de superar tais pensamentos) e que devia ter começado a estudar há mto mais tempo.
    Mas, por força das circunstâncias, não o fiz e, ao começar, esse ano, pude presenciar e ainda estou presenciando uma série de acontecimentos que me impedem de estudar, que desanimam mesmo.
    O último foi essa semana.
    Pensei em desistir de tudo.
    Estou cansado de levar bordoadas da vida, uma atrás da outra, desde os meus 9 anos.
    Não sou de ferro.
    Desculpem o desabafo.
    Força para todos.
    Vangelis

    ResponderExcluir
  5. MOCAM e demais colegas,

    Sonhos não envelhecem jamais. É justamente nessas horas de desânimo que temos que reafirmar nossas escolhas e mantermos a firmeza em nossos propósitos. 30, 40, 50 ou qualquer outra idade não faz a mínima diferença diante de um sonho realizado. Além disso, a maturidade só tem a contribuir para a carreira da magistratura.
    Força, pessoal!!!
    Grande abraço,
    Leonardo Sardinha

    ResponderExcluir
  6. MOCAM, adoro ler o seu blog. Bom para compartilhar as ideias e saber que outras pessoas sentem as mesmas coisas que a gente.
    Concordo plenamente com Leonardo Sardinha. A maturidade só contribui.
    Bons estudos a todos.

    ResponderExcluir
  7. Já passei por isso.
    Hoje estou no dilema de Vangelis, pois com meus 32 anos, sinto-me velho demais para estar nesse e novo demais para desistir.
    Força.
    Esse seu momento é uma fase de depuração. De reavaliação do foco. Como digo, a fé se testa no cadinho da dúvida e tribulação. Perserverar, sem saber o resultado, é dom de esperança.
    Amigo, esperança é a certeza do que teremos sem ver traços concretos disso, é a substância da fé!
    Se expressa, na perserverança, forjada nas tribulações.
    Hoje vejo claramente que a nossa luta pelos concursos ganha em determinado momento um contorno sobrenatural. Não é mais um meio de vida, não mais a busca de uma profissão, se torna uma metáfora do sentido da vida: busca, quedas, aperfeiçoamento, vitórias...
    Como dizem os orieantais: fazer com perfeição qualquer coisa é atingir a perfeição em todas as coisas.
    Hoje, dia de S. Frnacisco de Assis, quero te desejar no mais profundo sentido das palavras do Santo Humilde: PAZ E BEM!
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Ola Amigos!
    Estou nesse desespero também, principalmente na parte que cita o afastamento das amizades carnais..como é dificil essa luta, pois eu era um cara cercado de pessoas (amigos para churrasco, cerveja, baladas, etc) apesar de ser filho único..e hoje com esposa, filho e principlamente uma vida de concurseiro, àqueles amigos naturalmente se afastaram. Porém, não são apenas eles que se afastaram, tenho uma responsabilidade enorme por isso, pois a vida que escolhi há 1 ano é essa, moderação em tudo, exceto aos estudos..é um preço alto que se paga...semana passada estava em cacos...agora estou me recuperando..força amigo Mocam...(pelo menos amizade virtual)...força e coragem (frase que digo a mim mesmo todos os dias)..
    Abraço
    Zeca SP

    ResponderExcluir
  9. Mocam....
    te falar amigo.

    Acho que não preciso externar que ja passei pelo que você esta passando milhares de vezes. Mas escutei uma palavra de uma amiga concurseira que mudou minha vida. OBSTINAÇÃO.
    Cara..... é isso ai.
    Decidi a carreira da magistratura desacreditado por todos e sei que vou chegar lá. Sempre quando estou para baixo me lembro dessa palavra ( e entro no correio web tbem...rsrsr).
    Fica com Deus meu querido.... vc é um vencedor.
    Agora é questão de tempo e OBSTINAÇÃO.

    ResponderExcluir
  10. MOCAM, veja bem;
    Acabo de descobrir outra coincidência...
    Tb estou prestes a completar 30tinha...
    Nunca pensei em fazer outra coisa da vida.
    Com uns 16, 17 anos, estabeleci como meta: até os 30 anos serei juiz!
    Mas a vida dá tantas voltas q as vezes parece a as rédeas saíram de nossas mãos...
    Comecei a estudar p valer só em 2008 e nesses 2 anos só fracassos retumbantes!
    Mas, como vc sabe, chego à minha primeira 2a fase - espero q seja a única, mas sei q isso é beeeemm difícil.
    Se a realização desse sonho/meta/objetivo demorar um pouco mais... sem problemas. O q importa é não desistir!
    Uma vez disse p minha patroa, num momento de crise (do tipo largo essa caminhada ou não largo): - qdo ficar velho, posso ser frustrado por não ter conseguido; mas jamais serei frustrado por não ter tentado!
    Espero q consigamos!
    Um grande abraço do amigo virtual
    VBCensura!
    p.s.: espero conhecer vc e um bocado da galera aqui no DF, hein?!

    ResponderExcluir
  11. VB, meu amigo. As coincidências não param por aí. Tenho a ligeira impressão que faremos prova na mesma sala(rs). Minha ida ao DF está mais do que certa. Se vc não passar antes, está intimado a vir em MG para retribuir a visita.

    Abs,

    MOCAM

    ResponderExcluir
  12. Queridos amigos,

    Apesar do tom, no mínimo estranho desta postagem, percebi que ela rendeu as mais diversas impressões. Não estou triste. Não estava triste enquanto escrevia. Apenas pensativo. E levantei da cama para escrever aquelas poucas palavras na tentativa de mostrar a todos que esses questionamentos são normais. Somos humanos.

    De todo esse processo que vivemos, espero que um cargo na magistratura seja apenas uma consequência. O que espero realmente é sair depurado, consciente do amadurecimento que vivi.

    Vamos em frente. Com fé em Deus e na labuta!

    MOCAM

    ResponderExcluir
  13. Caro Mocam... tenho que fazer um desabafo. Siceridade... quando li seu texto vi que além de um auto reflexão vc quis fazer com que os demais concurseiros a fizesse.
    Amigo... vc conseguiu.
    Senti no depoimento dos demais colegas, e no meu, muito carinho e também um certo alivio de sabermos que não estamos sozinhos nesta empreitada.
    Seu texto ficou ótimo e tenha certeza que será um grande insentivo para todos nós.
    Acompanho vc a poucos meses mas já considero vc meu amigo virtual.

    Fox-go

    ResponderExcluir
  14. Puxa, vocês tem 30 e já estão na batalha. E eu que sequer me formei, só no final do ano. Depois teremos o tempo de prática jurídica e blá blá blá...se tenho 30 hoje, terei 35 quando estiver no estágio de vocês...Ai, talvez seja tarde, a idade não agrade os examinadores, etc...Mas eu nao desistirei.

    ResponderExcluir
  15. Descobri hoje o seu blog (vi no CW, magistratura estadual). Meus estudos não são voltados para a magistratura estadual, mas do trabalho, porém, como dvee sair concurso ano que vem pra cá (Ceará), não queria perder a oportunidade de tentar.

    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  16. Grande MOCAM!
    Sempre refletindo nossos dilemas! rs
    Pois hj completo 3.1 e está especialmente difícil... mais um ano no limbo!
    Espero ter força de vontade e perseverança para continuar. Acho que amanhã estarei melhor!
    ABs,
    Desistir Jamais - CW (pois, é... o nick é para ver se eu mesma me convenço! rsrsrs)

    ResponderExcluir
  17. Esse lance de não mais se sentir advogado é triste, passo por isso também....mexe muito comigo isso.
    Me sinto um nada...nem universitário, nem advogado, puts...concurseiro é um nada....é triste isso.
    Quero passar logo...vamos estudar !
    PAz de Deus a todos os irmãos.

    ResponderExcluir
  18. Olá!!
    Mocam, seus sentimentos e o de todos aqui são os mesmos que os meus.
    Tenho muitos sonhos, e às vezes medo de não realiza-los.
    Ainda tenho 25 anos, mas me cobro muito. Parece que já estou atrasada.... e perdida.
    Começarei a me focar na magistratura, mas não sei como iniciar.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  19. Muito interessante todas estas colocações. Peço licença para postar a minha,a qual aflorou depois que li seu post, pois também estou nos 34 e meio, formada há 10 e com o detalhe de "tentar ser concurseira"... Explico... já não sou advogada, embora ainda conste de uns 30 processos, não tenho mais escritório, não trabalho e sinto que os parentes e conhecidos apenas querem tirar uma casquinha (traduzindo não ganho mereca com esta pseudo profissão) E embora muitos digam que é cachaça, já não quero beber desta fonte.
    Também não sou concurseira, pois tenho 2 filhas pequenas e pais problemáticos que me dão mais trabalho.Meu marido é uma pessoa extremamente generosa e comprometida..Mas faz doutorado e já se vão 7 anos e nada de terminar...A familia de meu marido tem sérios problemas de relacionamento comigo, por isto ficamos isolados embora vivendo na mesma cidade, em bairros vizinhos. Meu marido não quer voltar para minha cidade pois o emprego e o doutorado estão aqui, então fico longe dos meus pais e parentes, os quais por sua vez, foram isolados por meu marido, em razão de eu não me relacionar com a mãe dele... aiai sogras...
    Estamos sós para criar as crianças e lhes proporcionar uma infância decente e feliz.Ele cuida do provimento da casa e eu de todo o resto.
    Resumo: não posso abandonar as crianças, colocar na escola período integral etc, entrar em um cursinho, malgrado haja condiçoes financeiras para tanto.
    Tudo porque não tenho coragem de colocar meu sonho em prioridade e relegar as crianças.Acho que não posso tirar mais da vida delas, que já não contam com o pai de segunda a sábado e no domingo se depender dele ficam dentro de casa no discovery kids, pois ele está escrevendo sua tese...
    Não saímos para viajar, não temos festas de aniversário porque as famílias não se dão, não vamos a eventos familiares, etc.Temos poucos e bons amigos que acompanham as crianças em alguns momentos e sou obrigada, depois, a ficar com 5,6 crianças em casa, em retribuição.
    Meu sonho da magistratura é forte, mesmo vindo de uma família de advogados,mas agora, não pode ser mais forte que a formação de duas crianças...
    Já tive depressão por isto,cheguei a 95 kilos para 1,58m, mas agora estou equilibrando as coisas... e não desisto.Fui ao inferno, estou voltando ainda de lá, mas não pretendo retornar...
    Todo dia recomeço e se tenho um obstaculo, no outro dia lá estou eu, com um caderno para escrever as prioridades e a primeira de todo dia é estudar... Me inscrevi no grupo do correio web e participo do grupo de humanistica para o 183. Estou em casa lendo uns livros e preparando o resumo e resolvi entrara no blog... as crianças estão na escola e esta é a janela que me faz ver a toga novamente. E sonhar um sonho intenso e invocar todas as minhas forças para recomeçar, dia apos dia, a estudar....e um dia alcançar o êxito pretendido.
    O êxilio é duro, mas tenho a prova rela em casa, embora em outra area, que se isolar e estudar diciplinadamente traz resultados.. não imediatos, mas traz.. Persisto e não desisto.Não conto a ninguém que estou estudando para concursos para não ouvir aquelas horriveis frases feitas... Conto com o apoio de meu marido para os livros (ele já disse que vai instaurar uma CPI porque os preços dos livros e inscriçoes estão muito altos e ele acha que tem um valerioduto aqui) Inspiro e solidarizo-me com os colegas virtuais e torço para todos. Esta vontade de ir em frente me ajuda... E assim vou vivendo.. Um dia espero contar para vcs de minha aprovação.. Assim como espero ler a de todos vcs.... Um dia me sonho vai se realizar...tenho certeza.. trabalho para isto. Li que uma candidata ia de bicicleta na estrada dos concursos... estou indo a pé e o chinelo já furou, mas ali na frente tem uma vendinha e compro outro e sigo em frente.
    Desculpe pelo longo relato e obrigada pelo espaço... Uma grande semana para todos e um otimo feriado de estudos....
    Verum

    ResponderExcluir
  20. Chega a ser engraçado isso de todos sentirem a mesma angústia independente do ponto de partida. Diante da quadra exposta me sinto até confortável em continuar nessa jornada com bastante serenidade para administrar o trabalho atual com o presente de estudos na espera do porvir.

    DD.

    ResponderExcluir
  21. Essa é a mágica da vida...cada um é um..e todos nós um todo...tenho certeza que na árdua caminhada à magistratura..mtas coisas importantes ficam em segundo plano..porém no momento do exercício desta linda profissão...todas essas experiências de vida..estarão lá na ponta da caneta e a felicidade nesse momento será gratificante...um vento forte bateu..e vim de Belém pra Brasília..em busca de um sonho..hj sozinha e numa kitenet...vivo a realidade de mtos..mas a esperança do manhã é constante e mais forte que tudo...Paz e força a todos..E no fim de semana que em Belém se comemora o Natal Paraense..(reunião em que não estarei)...Que a Nossa Senhora de Nazaré proteja e guie a todos nós!!! Gleyce

    ResponderExcluir
  22. Gleyce, eu estou querendo mudar para estudar fora também.Tenho 32 anos e já morei um tempo só em capital para estudar, só que depois eu voltei para o interior e não está dando certo, na capital eu estudava bem mais.No seu apt não tem lugar mais mais uma concurseira? Sei que no DF o aluguel é caro se precisar de alguém pra dividir me fale, ok.
    MOCAM, peço desculpas por estar usando seu blog para isso,rs.

    Grata
    Andréia

    ResponderExcluir
  23. Mocam, entrei no blog desesperada buscando uma palavra de apoio, um texto que refletisse a minha angustia atual.Estou muito cansada dessa luta.Hoje, foi um dia bem difícil, estou perdendo o apoio da família, não tenho o menor respeito devido ao fato de ser uma '' profissional que não trabalha, estudar não leva a nada, você precisa de um trabalho,emprego''. Briguei muito feio com a minha família , pois a fé deles e a confiança que eu passarei estão minadas.Venho acumulando diversas derrotas nos concursos.Não consigo passar em nada.
    Acredito que Deus um plano pra mim e ainda não chegou a minha vez. Meu tempo (4 anos) de estudo não condiz com o tempo dEle.Tá muito difícil manter a sanidade, a calma e vontade de continuar.
    Acredito que os vencedores tiveram seus momentos de desespero também. Desculpa ter desabafado pra vocês, mas é que o mundo de concursos é tão solitário, clandestino e incompreendido que , não vejo quem possa me entender mais do que vocês.
    Obrigada pelo blog que nos presenteia com força e ânimos diários.

    Lo

    ResponderExcluir
  24. O meu conselho é: um degrau de cada vez.
    Também sofri com cobranças por parte da família e amigos, mas a maior delas vinha de mim. Existem muitos concursos por aí com um grau de dificuldade menor! Tentem também! Comigo deu certo. Quem não entende patavinas, não quer saber se você passou para serventuário ou procurador da república. Estudar e trabalhar é mais difícil? Sem dúvida! Mas, no meu caso, o rendimento melhorou.

    ResponderExcluir
  25. MOCAM,

    tudo bem que esse post é super antigo, e não sei se vc lerá essa msg, mas me senti na obrigação de comentar, pois além de sentir tudo isso que vc descreveu, me identifiquei incrivelmente com parte da leitura do Crime e Castigo, que acabei de ler há uns 3 dias... também estava tentando lê-lo há um tempo já.. rs Que coincidência!!!

    ResponderExcluir

• Vídeos, dicas de estudo, materiais gratuitos e muito mais. Grupos de estudo e muita informação sobre concursos das carreiras jurídicas. Acesse o Blog do MOCAM e cadastre-se no Fórum do MOCAM.

• Discordar é saudável. Mas comentários ofensivos não serão publicados.

• Publicidade não será permitida.

• Não serão publicados comentários contendo emails, números de telefones, endereços ou outros dados pessoais.

Veja Também no Blog do MOCAM